Coragem, coragem, se o que você quer é aquilo que pensa e faz! Coragem, coragem, eu sei que você pode mais!

by

Click e ouça a trilha. 

O histórico do povo Brasileiro nas ruas é logo e muito importante, apesar de escondido pela mídia. Existe uma vontade de mostrar um povo bom e pacífico, ordeiro e acomodado. Ah, o Brasileiro prefere uma cerveja a lutar por seus direitos. Mentira!

Esquecem dos estudantes que lutaram contra a ditadura, da eterna luta dos professores, que já foram recebidos por jatos d’água no centro de Belo Horizonte, a mando do então Governador Tancredo Neves, na década de 80. Esquecem da Greve dos Pedreiros de 1979, quando em dois dias Belo Horizonte parou com a revolta dos trabalhadores que pediam; segurança e melhores condições de trabalho. Esquecem a luta pelas Diretas Já, menos beligerante, mas fundamental para o fim do Regime Militar e ainda o Impeachment Collor. Aqui é preciso lembrar que o movimento estudantil, que ficou conhecido como “caras pintadas”, só foi televisionado depois de quatro meses de constantes manifestações, quando Sinhá Mídia percebeu que não dava mais para esconder a onda de manifestações que ocorria em todo o Brasil.

Os tempos mudaram, um operário virou Presidente, as manifestações ficaram mais brandas, os movimentos Sindicais acomodados, os Grêmios Estudantis também foram aparelhados por diversos partidos. Durante a primeira década do novo século apenas os movimentos sociais apartidários mantiveram combativos. Todo Primeiro de Maio há uma grande marcha de trabalhadores em todo o País, que não sai na mídia. Este ano, por exemplo, eram quase duas mil pessoas acampadas na porta da Assembléia Legislativa de Minas, durante três dias e não saiu nada nos Jornais.

Aliás, parece que os jornalistas aceitaram de vez o cabresto dos patrões. Hoje temosem Minas Geraisa luta dos Professores Estaduais, dos Policiais, Militares, Civis e Bombeiros e nada disso sai nas mídias. E ainda, a luta dos assentamentos em risco de despejo, dos Barraqueiros do Mineirão, dos Artesãos e Moradores de rua. Como também não saiu quase nada sobre a Manifestação pela Liberdade de Expressão que aconteceu dia 18 de junho no centro de BH.

A Marcha surgiu da proibição da Marcha da Maconha, reprimida com violência em várias capitais, mas não defendia apenas a liberação da Cannabis, lutava pelo direito de livre expressão, coisa que muita gente não entendeu. E havia outra Marcha, no mesmo dia e que se encontraram na Praça da Estação. A Marcha das Vagabundas ou SlutWalk é um protesto que surgiu no Canadá depois que um Policial afirmou em uma palestra que as mulheres incentivavam o estupro com suas roupas.

Homens e mulheres, de todas as idades e classes sociais, da zona sul aos moradores de rua, do Movimento pelo direito das Mulheres ao Comitê Popular dos Atingidos Pela Copa 2014, uma diversidade de gritos ecoando juntos. E com tantos desejos diferentes havia algo em comum, a luta pela Liberdade! Contra um estado opressor e elitista que governa de acordo com multinacionais e interesses econômicos. Mas nem todo mundo percebeu a beleza dessa diversidade e não entenderam que lutamos juntos.

O que aconteceu em frente a Prefeitura de BH foi triste, lamentável e mostra o perigo de termos um prefeito que vê a cidade como uma empresa e trata os cidadão como público alvo. No caso, alvo das cacetadas e spray de pimenta da guarda municipal. Uma guarda despreparada e truculenta, arrogante e prepotente, igual a seu comandante maior, o prefeito. Pois na porta da prefeitura, quando manifestantes mais combativos ameaçavam invadir a escadaria, – nunca entendi porque limitam a manifestação ao passeio, toda vez é a mesmo coisa – quatro guardas se sentiram ameaçados e sacaram seus cassetetes sobre os manifestantes. Logo o confronto ampliou e o que era uma “briga” entre dois sujeitos de lado opostos, virou um tumulto generalizado. Outros guardas se juntaram ao mais valente lacerdista e com sprays em punho miravam os olhos dos manifestantes. O que se viu em seguida é algo grotesco. Os guardas não tentavam manter a ordem, tentavam agredir os manifestantes, tomaram a questão como pessoal. Neste vídeo é possível ver o que rolou. Depois de muito spray, até contra eles mesmos, pois o despreparo é tanto que acertaram o próprio colega de farda, a PMMG interveio e separou. Pasmem! A Polícia Militar foi obrigada a proteger os cidadãos da agressividade da guarda municipal!

E aqui rendo uma homenagem aos comandantes militares que acompanharam a manifestação. Graças a eles menos gente apanhou! E ao final a PM ainda fez mais bonito, se retirou e deixou a rua fechada para o povo! E isso foi outra demonstração de civilidade, para quem precisa aprender a manifestar na rua.

Ocorreu o seguinte, a manifestação saiu da porta da prefeitura, alguns “lideres de Facebook” puxaram a Marcha e deixaram vários manifestantes para trás, abandonados a própria sorte. Outros, percebendo a falta de companheirismo, voltaram e se juntaram aos sujeitos que lavavam o rosto e olhos de spray. Juntamente com os PMs que os protegiam da sanha da guarda municipal se reintegraram a manifestação.

A Avenida João Pinheiro, que já foi Avenida da Liberdade, foi tomada e a manifestação chegou até o Palácio. Interditaram a faixa de trânsito sentido centro/savassi, ali continuamos a manifestar e a gritar palavras de ordem. A PM, fazendo o seu papel, exigia a liberação de uma pista. Alguns manifestantes concordaram, não achavam correto fechar o trânsito e tentavam convencer os demais, alguns já incorporados como porta vozes do movimento.

A PM sugeriu duas opções: ficar por ali mais 15 minutos e depois irmos para a Praça da Liberdade ou ficar o tempo que quiséssemos e liberar uma faixa imediatamente. Os porta vozes iam e vinham com as propostas, o povo assentou no chão e quando perguntados sobre quanto tempo ficariam, um coro ressoou: até a Copa! até a Copa! até a Copa! Os porta vozes se indignaram: como assim, levem a sério, o Choque vem ai, não podemos fechar o trânsito totalmente! Pense nas pessoas que precisam passar de carro aqui.

Insatisfeitos com os manifestantes que não arredavam a bunda do chão, um a um, os porta vozes foram se retirando. A “liderança de Facebook” recolheu seu megafone e foi embora. Com a bola do jogo – megafone – debaixo do braço saíram da contenda, fizeram certo, aquilo não era para eles. Aquela manifestação era para gente de fibra e coragem. Era coisa de mulher que sofre preconceito todo dia, de negro que não aceita mais ser discriminado, de morador de rua que tem seus pertences roubados pela prefeitura, de barraqueiros do entorno do Mineirão que perderam sua fonte de renda, de cidadão indignado que não admitem que o governo esconda suas contas e da população pobre que está sendo expulsa da cidade em prol de grandes empreendimentos. Aquela não era uma luta por uma bolinha, é uma luta contra uma bolada! Uma bolada de desrespeitos que sofremos todos os dias, que às vezes nem percebemos e que vai aos poucos nos aprisionando.

Depois que os sujeitos donos da bola, que acreditavam serem também os donos da manifestação, se retiraram, a coisa mudou. Um cidadão, gente fina, disponibilizou um novo megafone e quem quis pode se expressar. Dos mais de 800 manifestantes, restaram aproximadamente 200, das cinco viaturas da PM, apenas uma. O trânsito foi desviado no quarteirão de baixo e não houve o dito confronto. Com megafone em punho, as minorias presentes se manifestaram por mais de uma hora, prazo maior que o prometido; pelos diretos das mulheres, dos negros, dos professores, dos moradores de rua, das famílias ameaçadas de despejo, contra os abusos de toda a ordem para a realização da Copa. A diversidade de falas, de cores, de bandeiras, de gente, mostra um povo que está amadurecendo, que luta junto, que entende o outro, que respeita e está se juntando. Ao final, todos deram as mãos e fizeram uma grande ciranda que tomou as faixas nos dois sentidos em frente ao Palácio e de longe uma viatura da PM assistia, tranquilamente. Desconfio que muitos deles, que estão em luta salarial e por melhores condições de trabalho, também queriam dar as mãos naquela ciranda da diversidade!

A cada cidadão que participou daquele momento a minha saudação e certeza: começamos bem e vamos contaminar! Este vídeo ficou muito bonito!

Tags: , , , , , , , , ,

13 Respostas to “Coragem, coragem, se o que você quer é aquilo que pensa e faz! Coragem, coragem, eu sei que você pode mais!”

  1. Rafael Zum Says:

    Belo texto! Foi isso mesmo q rolou, principalmente no final, quando muita gente se acovardou!

  2. Luara Colpa Says:

    A cena mais bonita foi quando estávamos no chao e os “donos da marcha do facebook” disseram: Pessoal, na boa mesmo, vcs vao ficar ai até quando??? E TODAS as pessoas: “Até a Copa! Até a Copa!” hahaha lindo!

  3. Luther Blissett Says:

    Texto massa! Mas imagino que se o pau esquentasse mais, a PM também desceria o porrete. Não sei que tipo de respeito preservar, já que os PM’s só estavam na miúda para atender a um gelo que o próprio governo os pressionou a atender: se a PM é a primeira a reprimir, que integridade a instituição mantém diante das recentes decisões do STF? São escolhas de forte peso político, fiquemos atent@s.

  4. Dereco Says:

    Belo texto, Ommar!
    A Marcha ter partido em dois quando o bicho mais estava pegando na porta da prefeitura e alguns ainda se recuperavam do spray de pimenta e das cacetadas foi feio e foi grave! Muita gente confundiu protagonismos pontuais com liderança absoluta. Fazer marcha só para render produtos midiáticos e lideranças instantâneas é deprimente, as causas são reais e as pautas são urgentes!
    Liberdade de expressão só faz sentido se for para expressar alguma coisa, e algumas coisas muito específicas estão precisando de expressão na capital. Não se esqueçam que antes da #revolution ser global, ela é local, e é a partir daí que nosso assunto começa.

  5. Anônimo Says:

    É preciso coragem! É preciso lutar! É preciso enfrentar! E para tudo é preciso estarmos juntos!

  6. Planofurado Says:

    Mais outra da turma abastada em conflito de identidade, se é que temos alguma. Sobrevida dentro da ordem? Debaixo dos viadutos? O refugo é violento, é posto de lado por questões sociais, politicas e econômicas muito menos lúdicas do que se pintar ou fazer massagem. Vocês estão simplesmente ignorando uma série de problemas que se amplificam cada vez mais sem que tenham a prontidão de ao menos enxerga-los para além do bem estar físico pessoal. Se servem de exemplo como alternativa possível? Talvez, mas não num mundo com bilhões de pessoas prestes a se conformarem desde o nascimento com a condição de autômatos. Terapias, grupos, autogestão e outras coisas retiradas de leituras “libertárias” mal feitas, interpretadas como sendo prioridades objetivas onde a realidade se massifica ao ponto de não existirem mais formas convincentes de construi-las. Enfim, queria dizer apenas para fazerem seus encontros com menos pomba e egoísmo, lembrando sempre que são mais um meio de conhecer, de interagir com outras pessoas do que uma luta sincera, lúcida e comprometida até a carne com possibilidades ao menos plausíveis de transformações humanas amplas e anônimas.

  7. Planofurado Says:

    Outra coisa, pois não sei se alguém lerá todas essas letras: a tão falada Praça da Estação sempre foi espaço aberto, usado ainda hoje como banheiro público pelas garotas de programa e dormitório para os que trabalham no interior. Talvez não lembrem, aliás, não se já tinha saido do saco dos seus pais, mas governos e decretos nunca impediram ninguém de ir até lá e fazer o que tinham que fazer numa noite qualquer de sexta ou sábado. Tentem se afirmarem como são, e não forjar do nada uma imagem de “portadores de soluções”. As práticas na cidade são muito maiores que seus umbigos.

  8. Planofurado Says:

    O “povo brasileiro”, aquele que levanta na madrugada, ergue uma parede e retorna para casa sem reboco, é o mesmo que se sacia e se conforma com vários goles de cerveja, ou um trago de cachaça visto que a outra virou outro bem de consumo. É alienado, não faz escolhas, a não ser traçar alternativas na medida da necessidade prática, de melhorias breves na qualidade de vida. Estudantes contra a ditatura? Não, membros da classe média intelectualiazada entediada com certas restrições que, quando o cinto apertava, reservava uma vaga rumo ao exterior. Caras pintadas, outra massa de jovens urbanos frustrada com o estilo de vida material da familia tradicional. A mídia escondeu apenas alguns números, calibrando o número de adeptos aos milhares quando nas ruas pouca gente se aglomerava. Em Belo Horizonte houve até quem confudisse o nome do movimento…

  9. Anônimo Says:

    Tenho pretensões menores.

  10. Coragem, coragem, se o que você quer é aquilo que pensa e faz! « Terrorismo Branco Says:

    […] originalmente publicado em: https://pracalivrebh.wordpress.com/2011/06/21/coragem-coragem-se-o-que-voce-quer-e-aquilo-que-pensa-e… […]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: