Regularis

by

Ângulos iguais, idênticos. Coisas medianas, coisas médias, meios termos. Que se repete repete repete. Que é da regra, que é da lei, sem precisar de pedra nem de rei. Que cumpre os seus deveres. Uniforme, que serve bem. Que estabelece e sujeita à ordem. Que modera e regulamenta.

 

O mais engraçado sobre o regular é isso: nenhum dos tons que a palavra assume consegue ser ameno. Há no termo algo de necessariamente autoritário, careta, conservador, triste, mediano.

 

Acontece que a PBH se encaixa em quaisquer desses ângulos iguais, principalmente se a forma for quadrada, ou pontiaguda como os espetos que cobrem os degraus de monumentos (que querem dizer: “é seu, mas não pode se assentar aqui!”). É assim que se protege patrimônios hoje em dia: transfere-se a ponta da baioneta ao espaço público e faz-se regulamentos.

Regular: pôr ordem e assegurar, levar alívio aos medianos, satisfazer a classe média, fazer gosto nos caretas e esvaziar qualquer praia. Por que? Porque repetem repetem repetem… re-gu-lar-men-te… as mesmas falações da vida média comum – morrendo de joelhos nas arenas de areia: uma assoprada e vai ao chão, desfeita e espalhada. Abundar espaço para desaguar,  poder pagar e ficar segura com seus bens. Os eventos regularizados pela PBH são hoje regulares e os medianos podem alugar a Praça da Estação. Vá lá hoje e verá uma tenda com gente trabalhando o tempo todo, um logotipo no topo. Barraca privada? Evento? Sim, eventoregular! Será esta uma outra “natureza” de evento?

Nem praia, nem “sociedade civil”, nem classes médias artísticas e culturais estão contra eventos regulares. Regulação é massagem no ego mediano, semente do ideário republicano. Placebo das mentalidades subordinadas, monta berço para a passividade. Regular é manter a uniformidade do movimento, não permitir que ele faça desvios e descarrilhe no insólito. Regular é a própria substância ativa das mentalidades regulares.

A baliza da PBH (quando veio com aquele decreto 13.961) se ajustou tão bem quanto se ajusta um uniforme: basta cobrar taxas tais e tais e essa gente mediana fica quieta diante da instauração do controle. Gente quieta, fazendo dieta de higiene pública, pagando e consumindo. Gente que toma banho em outro lugar (mais seguro) e não deseja tanto nem precisa das fontes d’água em praças. Gente que quer evento grandão, para poder pagar e lavar as mãos.

Anúncios

4 Respostas to “Regularis”

  1. LB Says:

    Excelente o texto. Triste a situação que segue corroendo o que há de cidade em nossa cidade.

  2. Jaci Pires Says:

    adorei o texto.
    Só faltou uma provocação para ação.

  3. Tweets that mention Regularis « Praça Livre BH -- Topsy.com Says:

    […] This post was mentioned on Twitter by Gilson Moura JR, Coala Croata. Coala Croata said: https://pracalivrebh.wordpress.com/2010/10/28/regularis/ "Regulação é massagem no ego mediano, semente do ideário republicano." Praça Livre […]

  4. Ana Otto de Passos Says:

    textos estão muito distantes da ação. e acho que o texto já é bem provocativo, no sentido de convocar ao pensamento das ações que vêm se desencadeando, pelo menos. mas, como todo texto, permanece inato.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: